FAQ

Radiografia é o registro fotográfico de uma imagem produzida pela passagem de uma fonte de raios X através de um objeto.

Radiografias digitais são imagens adquiridas por aparelhos de raios X que, ao invés de utilizar filmes radiográficos, possuem placas de circuitos sensíveis aos raios X que gera a imagem e a envia diretamente para o computador na forma de sinais elétricos. Se comparados aos sistemas analógicos, os sistemas de radiografias digitais oferecem obtenção de imagens com melhor qualidade e menor exposição do paciente à radiação. No sistema de aquisição convencional (sistemas analógicos), as imprecisões em termos de exposição provocam normalmente o aparecimento de radiografias escuras, claras ou com pouco contraste, carecendo de melhoras por técnicas digitais de processamento e exibição de imagem.

Apesar da exposição aos Raios X oferecer algum risco, pesquisas científicas comprovaram que o risco associado ao uso das técnicas radiográficas intrabucais, das panorâmicas e das tomografias computadorizadas é menor que o risco da radiação ambiental (radiação cósmica, radiação do solo, raios ultravioleta) a que estamos expostos.
As doses de radiação das radiografias usadas na Odontologia são extremamente pequenas. Mesmo assim, hoje dispomos de tecnologia para minimizar os possíveis danos oriundos das radiações ionizantes na rotina odontológica. Usando aventais plumbíferos, sistema digital e aparelhos calibrados, podemos dizer que os riscos são infinitamente menores que os benefícios produzidos por essas imagens na prática da Odontologia Moderna.

O cirurgião-dentista costuma solicitar radiografias intrabucais e extrabucais. Na maioria das especialidades utiliza-se a radiografia panorâmica por ser de fácil execução e pelo fato de que, em uma radiografia, visualizam-se as estruturas que compõem o complexo maxilomandibular, assim como estruturas anexas, como órbitas, seios maxilares, fossa nasal e articulações temporo-mandibulares.

A maioria dos exames de raios X com finalidade odontológica não expõe o feto a níveis elevados de radiação. O exame radiográfico deve ser feito quando bem indicado, em especial após o terceiro mês de gestação. Com o uso dos equipamentos de segurança como avental de chumbo, curto tempo de exposição e evitar a repetição de exames, esses riscos ficam ainda menores. De qualquer modo, o profissional de saúde, em cada caso, saberá avaliar os riscos e benefícios sobre realizar ou não esses exames.

Geração da imagem em 3D
Visualização em todos os ângulos do complexo maxilomandibular;
Realização de medidas ósseas, tanto em altura como em espessura;
Visualização ampla das estruturas anatômicas;
Necessidade de enxertos ósseos;
Planejamento cirúrgico seguro, pois as mensurações realizadas correspondem à medida real, 1:1;
Simulação da colocação de implantes por meio de software especial, antes que a cirurgia seja realizada;

Os exames radiográficos odontológicos realizados são propriedade do paciente, podendo os mesmos ficar em poder do cirurgião-dentista durante o tratamento. Ao término do tratamento, quando o paciente solicitar a devolução dos exames, o profissional deverá concedê-la. Porém, se o paciente não fizer mais uso dos exames e permitir, estes poderão ficar no consultório do profissional ou ser descartados.